Literatura cervejeira – Brew like a monk

Nesse final de ano resolvi retomar as leituras cervejeiras. Comecei com o Radical Brewing do Randy Mosher mas acabei largando no meio por ter muito coisa repetida de outros livros que já tinha lido. Não estou desmerecendo o livro, ele é ótimo e vou usa-lo muito como referência para elaborar receitas junto com o Designing Great Beers e o Brewing Classic Styles.

Resolvi então começar a ler o Brew like a monk do Stan Hieronymus que une a parte técnica de como fazer uma cerveja inspirada nas trapistas com uma narrativa envolvente sobre a história e os detalhes dos mosteiros belgas e cervejarias que se inspiraram neles.

Alguns trechos do livro acabaram marcando e vou transcreve-los aqui abaixo:
“Sabe, se existe um segredo, é e nossa atitude com relação a vida, nossa relação do Deus e a natureza. Nós acreditamos que tudo o que cresce no campo ou na natureza – e o que você faz com ele – não é um produto ou presente. Isso não é brincadeira. Nós fazemos nossa cerveja o mais naturalmente possível e sem buscar muito lucro. Os Trapistas não estão dispostos a um compromisso entre preço e qualidade” – Citação do Irmão Pierre do mosteiro de Rochefort

“Minha opinião sobre o artesanal é que se você foca mais no produto do que no processo você está no caminho de ser um artesão.” Don Feinberg dono da cervejaria Ommegang.

Em uma pesquisa do grande Michael Jackson citada no livro este perguntou a um cervejeiro alemão como ele fazia cerveja:
“Malte pilsen e lúpulo tcheco.”
Perguntando a outro cervejeiro alemão a resposta foi: “do mesmo jeito que o Fritz disse. É assim que se faz Pilsen, assim que aprendemos na escola.”
Quando perguntou a um cervejeiro belga a resposta foi:
“Primeiro usasse uma tonelada de escremento de morcego. Depois adicionasse uma feiticeira (inseto) preta. Já o cervejeiro no final desta estrada usa feiticeira branca.”
Conclusão:”Definições de estilo não limitam a criatividade, falta de imaginação limita.”

“Ao fazer uma grande cerveja, especialmente belga, não se prenda aos guias de estilo, aos números. Pense nos sabores” Ron Jeffries da cervejaria Jolly Pumpkin.

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: