Cerveja na panelinha

Conheço muita gente que desistiu de começar a fazer cerveja em casa por achar que o investimento inicial no equipamento e o espaço necessário são muito grandes, ou por simplesmente não ter espaço para o equipamento.

Quando eu fui começar também achei o investimento inicial para fazer 20l um pouco alto, mas na época não se falava em alternativas. O que mais ouvia era que 20l era o ideal, pois o trabalho para se fazer 10l era o mesmo, o prejuízo de matéria prima se desse errado não era alto e teria um volume bom de cerveja para beber. Também analisei o investimento de cerca de mil reais e cheguei à conclusão que era bem menos que comprar uma moto nova, hobby que abandonara alguns anos antes.

Nessa tocada comecei a fazer levas de 20l e seis meses depois aumentei meu equipamento para 36l. Com esse aumento de produção comecei a ficar menos ousado nas experiências malucas, como usar frutas ou condimentos inusitados, por medo do prejuízo caso desse algo errado. E aos poucos fazer cerveja foi se tornando um hobby um pouco monótono, técnico e pouco criativo.

Foi que no final do ano passado me deparei com um texto no blog Notícias Cervejeiras, do Phil Zanello, sobre o equipamento de 5l que o Robson Vergílio, designer especialista em rótulos para cervejas, produtor caseiro e dono do bar cervejeiro The Brewer, havia montado. Fiquei encantado com a simplicidade e a possibilidade de fazer levas experimentais no equipamento pequeno e receitas consolidadas no equipamento maior. Pouco tempo depois entrei em contato com o Robson para pedir ajuda para montar a minha versão e ele me contou também como chegou a um equipamento de 5l.

“As levas de 5 litros começaram meio por acaso, meio sem querer. Eu fazia levas de 60 litros e como a maioria dos homebrewers, eu mesmo desenvolvi minha cozinha. O resultado era previsível, ela apresentou muitos problemas. A cada nova brassagem era obrigado a adaptar alguma coisa nova nela. De adaptação em adaptação, a coisa foi crescendo em espaço (coisa que não tenho) e, além disso, cada upgrade no equipo gerava um custo relativamente alto e nem sempre atingia o resultado esperado. Investimentos são necessários, mas eu também me enchia o saco com o trabalho que dava fazer 60 litros de cerveja. Moer vários quilos de malte, a espera para aquecer a água e, principalmente, o trampo para limpar e guardar tudo depois.

Eu precisava resolver meus problemas, e procurando panelas de aço inox (para outro projeto) achei uma de 7,5 litros, e bingo! Resolvi montar um protótipo de uma cozinha ideal, em escala menor. Além de servir como protótipo, poderia me servir como um laboratório experimental de receitas e métodos.

A princípio montei tudo quietinho, e só depois de pronta espalhei a notícia da minha cozinha de 1 galão. Como era de se esperar, a maioria dos cervejeiros riram da minha ideia, com as mesmas alegações de sempre: ‘não vale a pena’, ‘o custo por litro vai ficar muito alto’, ‘o trabalho vai ser o mesmo’ e etc… Algumas levas depois essa brincadeira gerou curiosidade, não só pela inovação, mas principalmente pela praticidade. Hoje faço cerveja em apenas 4 horas, incluindo a lavagem de tudo depois.

Essa curiosidade levou as pessoas a experimentarem levas menores, criando assim uma nova categoria de cervejeiro: o cervejeiro de 5 litros. Alguns chamam de cerveja de espagueteira, de leiteira, de galão… mas não importa, o legal é que com essa nova possibilidade, vários novos homebrewers surgiram, espalhando a cultura cervejeira, estudando e acrescentando sempre uma novidade. Velhos cervejeiros também estão aderindo às levas de 5 litros, seja por praticidade ou para experiências. Com o crescimento dessa galera, criamos no final de 2012 a Confraria do Galão. Uma associação de pequenos homebrewers com o objetivo de espalhar a cultura da cerveja da cerveja de galão, trocar dicas e tirar dúvidas. Quem tiver interesse pode acessar nossa página no Facebook.

O resultado de tudo isso: Abandonei minha cozinha de 60 litros e assumi meu lado ‘galoneiro’ definitivamente. Faça Menos, Faça Melhor!”.

Seguindo as dicas do Robson e da Confraria do Galão fui atrás do mínimo necessário para começar a fazer cerveja em lotes de 5l:

– espagueteira de 7.5l (modelo sugerido Batiki ZY04)
– registro de esfera de 3/8” + engate para mangueira + porca + aruela + vedação
– bomba de aquário
– mangueiras atóxicas (o diâmetro depende do engate usado na válvula e a bomba)
– saco de voil para facilitar a clarificação do mosto

Claro que, além disso, são necessários outros equipamentos básicos que já possuía para minhas produções maiores como:

– termômetro alimentício ou de espeto
– refratômetro ou densímetro + proveta de 250 ml

O processo para a brassagem é o mesmo que em um equipamento maior. A mostura é feita com os grãos dentro do saco de voil dentro da espagueteira com recirculação constante do líquido pela bomba, assim evitando caramelização do mosto, uniformizando a temperatura e clarificando o mosto. Feita a mostura escorre-se o líquido e a fervura pode ser feita em fogão convencional com as adições de lúpulo de acordo com a receita. Outro processo que é simplificado pelo volume pequeno é o resfriamento, que não necessita de resfriador especial e pode ser feito por imersão da panela em banho de água e gelo.

Para a fermentação pode-se utilizar vários recipientes como galão de água mineral descartável de 6.5l ou 5l ou garrafão de vinho desde que o mosto seja colocado no mesmo já resfriado. Outra coisa que não muda é a necessidade de controle de temperatura na fermentação, este pode ser feito em um frigobar com termostato acoplado, mas na falta desse pode-se deixar a cerveja fermentando em algum cômodo mais frio e com temperatura mais estável.

Com um equipamento reduzido mais pessoas pode ingressar nesse hobby delicioso que é fazer cerveja em casa e mais homebrewers já experientes podem soltar a criatividade e produzir cervejas cada vez mais inovadoras.

image

Texto escrito por Linus De Paoli, engenheiro mecânico, cervejeiro caseiro e blogueiro, com a colaboração de Robson Vergilio publicado no blog do clube Have a Nice Beer

13 Responses to Cerveja na panelinha

  1. Rafael Rezende disse:

    Linus, no caso de levas de 5 litros, qual a ideia em relação ao fermento? Pois creio que seja difícil particionar para levas tão pequenas, principalmente fermento líquido.

    • Rafael,
      Diria que o fracionamento do fermento é realmente o item mais complicado e onde podem acontecer desperdício de dinheiro.
      Com fermento líquido acho (pois até hoje só fiz 1 leva desastrada na panelinha, estou me adaptando a ela ainda) que seria mais fácil fracionar um starter e guardar o restante do fermento para uso posterior. Com fermento seco existem riscos de utilizar somente metade de um sachê e guardar o resto. Talvez para uso no dia seguinte não tenha problema de contaminação mas sempre fica a dúvida.

      abraço

  2. Gabriel disse:

    Rapaz, que coisa mais linda! Hahahaha
    Tenho um quartinho de empregada sobrando no apartamento para o qual acabei de me mudar, fico tentado a iniciar a vida de homebrewing… pena que por enquanto o tempo está apertado, seria querer demais.
    Mas parabéns pelo post, não tinha ideia que era possível fazer com tamanho menor do que 20 litros. Legal!

  3. Duas perguntas:

    – Tu fizeste o saco de voil ou compraste pronto? Necessita algum processo antes de usá-lo na fervura?
    – A bomba de aquário que tu usaste é uma comum ou precisa ter alguma potência extra para o processo?

  4. Estou bastante empolgado com a possibilidade de usar panelas e uma litragem reduzida para fazer a cerveja, mas uma coisa que fiquei me questionando é como é feita a adaptação das receitas? Geralmente vejo receitas para 20 litros (os kits prontos geralmente são para essa litragem), como adapta-las? Simplesmente usar 1/4 dos ingredientes?

  5. Fabiano disse:

    Olá. Estou montando meu equipamento para começar a fazer cerveja de panela. Minha dificuldade é em relação a bomba de aquário. Qual o tipo que você usa? Eu vi algumas que eram de imersão e/ou não suportavam líquido em temperatura superior a 35o C. Obrigado.

    • Eu não pesquisei muito. Não uso a mais barata, comprei uma bomba de aquário média que aguenta. Quase todas são de imersão por isso precisa fazer algumas adaptações para usa-la fora da panela.

  6. Rubens Milani disse:

    Como sugestão voce pode comprar uma bomba de máquina de lavar louças que já é adaptada para altas temperaturas. Paguei cerca de R$12,00 numa loja de peças em Santos e acho que é o preço aproximado que voce pagará em qualquer lugar.

%d blogueiros gostam disto: